Virtuoso é quem tem virtude

Sistema Cardiovascular: Dos peixes às aves

Erich Cavalcanti e Laianne Tarcilla

26/11/2007

 

Apresentação

 

 O sistema cardiovascular dos animais é talvez o seu sistema mais primordial, afinal é a partir dele que se distribuem todos os nutrientes para o corpo, e também é a partir dele que se capta o gerado pelo sistema digestivo.

 

 Caso sejam bem observadas as características de cada um deles, será notado certo grau de evolução, tal onde os peixes são os mais simples e os mamíferos junto às aves demonstram ter o sistema mais complexo e evoluído.

 

 Nem tudo será explanado nesse trabalho, porém, todo o essencial é demonstrado de maneira simples e rápida. O trabalho está dividido em quatro partes: Peixes, Anfíbios, Répteis, Mamíferos e Aves (estes últimos em uma única parte devido à imensa semelhança que apresentam).

 

 Cada tópico é dividido em cinco subtópicos os quais são: ‘tipo’, ‘fisiologia do coração’ e ‘distribuição sanguínea’. Estes descrevem, respectivamente, o tipo de circulação existente no animal, as características básicas de seu coração e como ocorre a distribuição de sangue pelo corpo.

Sistema Cardiovascular

 
 

 Peixes

 

 Tipo: Tem circulação fechada, onde o sangue passa dentro de vasos sanguíneos. O sangue não se mistura nesse processo.

 

 Fisiologia do coração: O coração é bicavitário, ou seja, tem duas cavidades ou câmaras, tendo só um átrio e um ventrículo por onde passa o sangue venoso.

 

 Distribuição sanguínea: Nos peixes o sangue venoso vai ao coração e então é bombeado até as brânquias, neste ponto ocorre uma nutrição por oxigênio para torná-lo sangue arterial. Após tornar-se sangue arterial, com impulso do bombeamento este é distribuído por todo o corpo e transformado, aos poucos, em sangue venoso.

 

 Anfíbio

 

 Tipo: Tem circulação fechada como a dos peixes, porém, ocorre mistura de sangue.

 

 Fisiologia do Coração: Coração tricavitário, ou seja, tem três câmaras, duas delas átrios e uma o ventrículo. O sangue se mistura com sua chegada no ventrículo.

 

 Distribuição Sanguínea: Devido à mistura de sangue venoso e arterial nos ventrículos a energia desses animais é baixa e tem, por conseqüência, ‘sangue frio’. Sua circulação assim é para poder se adaptar à evolução do anfíbio, devido a sua modificação de ambiente durante o crescimento (saí da água para a terra).

 

Répteis

 

Tipo: Circulação fechada. Sangue se mistura, assim como nos anfíbios.

 

Fisiologia do coração: O coração dos répteis tem três cavidades (semelhante aos anfíbios), a não ser pela ínfima divisão que começa a surgir no ventrículo, o que parece ser um precursor da divisão existente nos mamíferos e aves. Essa ínfima divisão não adianta para separa o arterial do venoso.

 

Distribuição sanguínea: Os crocodilos têm um sistema de distribuição do sangue igual ao dos mamíferos (circulação menor e circulação maior), porém, todos os outros são bem mais semelhantes ao dos anfíbios. Devido à mistura de ‘sangues’ (arterial e venoso) eles ainda apresentam sangue frio e logo baixa energia.

 

Outras características: Alguns répteis têm dois ventrículos bem distintos e separados, apesar do sangue se misturar da mesma forma que a maioria dos outros répteis.

 

Mamíferos e Aves

 

Tipo: Sua circulação é fechada e o sangue não se mistura.

 

Fisiologia do coração: Tem coração tetracavitario, com quatro cavidades ou câmaras, sendo elas exatamente dois átrios e dois ventrículos. O que separa totalmente o sangue venoso do arterial são os septos interatrias e interventriculares. Os átrios e ventrículos se conectam através de válvulas que dão certeza ao fluxo sanguíneo, não permitindo que o sangue volte para a etapa anterior.

 

Distribuição sanguínea: A circulação se divide em duas etapas: circulação maior (que será a partida do sangue arterial do coração para o corpo e depois o que sobrou da distribuição ira de volta para o coração, ou seja, coração – corpo, corpo - coração) e circulação menor (que será o envio do sangue venoso contido no coração, este vindo do corpo, para o pulmão e depois o transporte do sangue agora arterial até os pulmões, ou seja, coração – pulmão, pulmão – coração).

 

Outras informações: Exatamente por causa desse sistema de circulação e separação do sangue, as aves e mamíferos tem a possibilidade de ter o chamado ‘sangue quente’ e logo, maior energia corporal. Os mamíferos e aves parecem ser o auge da evolução, com todo o sistema perfeito.

Conclusão

 
 

Uma evolução é notada dos peixes até as aves, e esta pode ser facilmente percebida com a simples analise da fisiologia do miocárdio (coração).

Os peixes tinham apenas um átrio e um ventrículo, os anfíbios dois átrios e um ventrículo, os répteis dois átrios um ventrículo e uma ínfima divisão neste ventrículo, as aves e mamíferos têm dois átrios e dois ventrículos. O que será que pode vir a seguir? Ou será que somos o ultimo estagio da evolução?

Isso é uma coisa que não sabemos, mas, provavelmente, caso aja mais evolução, haverá mais átrios, ventrículos, divisões, ou quem sabe, algo novo e inesperado.

 

Referências Eletrônicas

 

http://www.faced.ufba.br/~dacn/biologia.htm

http://www.animalshow.hpg.ig.com.br/repteis.htm

http://internet.csj.com.br/biologia/rev2pag5.htm

http://www.biocomputer.vilabol.uol.com.br/aves.htm

 

 

 

 

Procurar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.

Construir sites Webnode